Clique nas fotos postadas para aumentar.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Mudança da Capital de São Cristóvão Para Aracaju.



Decisão Para a Mudança da Província

... Um pouco sobre os aspectos que levaram o então Presidente da Província, Inácio Joaquim Barbosa a transferir a capital, antes São Cristóvão para Aracaju.
Inácio Joaquim Barbosa, nascido no Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1823, faleceu em Estância/SE em 17 de outubro de 1855. Foi um homem extremamente culto, poliglota, com boa formação humanística. Jovem governante com um pouco mais de 30 anos, procurou fazer Sergipe viver o então momento do progresso e inovações que dominavam o Brasil naquele período. Dessa forma, o Inácio Barbosa queria trazer para Sergipe essas novas ideias, ajudando assim, a cidade crescer e prosperar. Nomeado como Presidente da Província, (diga-se de passagem São Cristóvão) em 7 de outubro de 1853, empossado em 17 de novembro do mesmo ano.
A decisão para a mudança de São Cristóvão para o povoado Santo Antônio do Aracaju foi realizado por Inácio Joaquim Barbosa, com o objetivo do crescimento do comércio e a melhoria da sociedade, com um projeto modernizador de cidade moderna. E também, que tudo o que era produzido em Sergipe deveria passar pelo porto da Bahia. O que era ruim. Gerava perda nos lucros, pois o açúcar deveria ser exportado diretamente para os países consumidores, prejudicando assim, os grandes proprietários que tinham que dividir os lucros com os trapicheiros (pequenos engenhos) baianos. Sergipe precisava de um porto para escoar os produtos e exportar diretamente para o exterior.
A Contiguiba era a região que localizava o povoado Santo Antônio do Aracaju, e era o local ideal para escoar toda a produção açucareira sergipana. Pois, o transporte era intenso na Contiguiba que era superior a região do Vasa-Barris, por ter um estuário mais profundo e permitia a entrada de grandes embarcações. O aspecto geográfico e econômico foram de suma importância para a escolha de Aracaju como nova capital de Sergipe. Além disso, geograficamente, Aracaju estava próxima da mais poderosa região econômica, a Contiguiba vasta expansão da bacia hidrográfica, coberta pelo fértil solo de massapê.
Com planos para a transferência da nova capital Inácio Barbosa determinou que a Alfândega e a Mesa de Rendas fossem transferidas para a cidade. O objetivo era fiscalizar tudo o que passava pela província. Porém, houve resistência por parte de alguns representantes da elite, assim como, dos moradores de São Cristóvão por causa da transferência para Aracaju. Inconformados, os moradores da província fizeram manifestações com protestos irônicos sobre o descrédito com a nova capital, lançando apelidos aos políticos favoráveis à mudança. O Inácio era o "Caatinga"; José Moreira Guerra, capitão dos portos era o "Guerra Diabo"; Sebastião José Basílio Pirro, engenheiro era o "Desavergonhado". Os protestos eram bem inteligentes e eles não utilizavam violência para protestarem. Eles diziam assim:

"O Barão tá no inferno
O Batista na profunda
E o Caatinga vai atraz
Com o cofre na cacunda".
(SILVA, 1992, p. 75).

Texto e foto reproduzidos do blog sergipeesuashistorias.blogspot.com.br
De postagem feita por Silvia Maia.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito grande Geovana?? Espera só chegar na faculdade ou até mesmo no ensino médio kkkkkkk

    ResponderExcluir